segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Os 300 orgasmos de Elizabeth

Minha ligação com números é algo surreal: detesto-os e os amo. Tenho mania de fazer contas com tudo.
Por isso quando li uma notícia escondidinha no jornal sobre os 300 orgasmos por dia que uma mulher da Inglaterra tem, embatuquei.
Mas como?
E fui lendo. E apesar de descobrir que se trata de uma doença (Síndrome da Excitação Permanente), não pude deixar de dar gargalhadas, que me perdoe a inglesa lá.
E logo junta aquela turminha em volta, comentando: "ela é que é feliz".
E ela antes tratava da doença, mas aí arrumou um namorado que está dando conta do recado, segundo ela. Os quatro maridos anteriores jogaram a toalha.
Saí para o dentista e fui tentando fazer contas de cabeça. Quantos orgasmos por minuto?
Voltei sem ter chegado a um resultado, porque esbarrei na dúvida: conto as 24 horas, ou desconto o horário de sono? E se ela tem orgasmos dormindo? É capaz que sim, já que ela teve de largar um emprego numa fábrica de biscoitos, porque ficava excitada vendo as máquinas, vejam só, se ainda fossem os biscoitos...
Voltei e encontrei uma turma com as respostas prontinhas: a mulher tem um orgasmo a cada 4,6 minutos, considerando as 24 horas; ou um orgasmo a cada 2,2 minutos, considerando as 12 horas do dia. E outros números mais, considerando múltiplas possibilidades, aliás o que são múltiplas possibilidades diante das 300 dela?
E já fui logo imaginando Hollywood fazendo um um filme: "Os 300 de Elizabeth".

Nenhum comentário: